13 outubro, 2013

PARQUE TECNOLÓGICO ABRIGARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA EM ENERGIA E CAMPOS MADUROS

Centro terá cinco andares com 15 laboratórios, cinco núcleos e mais de 15 grupos de pesquisa 

Até a entrega da segunda parte do Parque Tecnológico da Bahia - prevista para dezembro de 2014 - muitos empreendimentos ainda devem chegar ao local. Um dos maiores é o Centro de Tecnologia em Energia e Campos Maduros, parceria entre a Universidade Federal da Bahia (Ufba) e a Petrobras. O Centro irá ocupar uma área de 5,8 mil metros quadrados onde será construído um prédio com cinco andares. Na área, estarão distribuídos 15 laboratórios para atender a cinco núcleos e mais de 15 grupos de pesquisa. 

Nas futuras instalações do Centro estão previstos os Núcleos de Recuperação Especial de Petróleo (Nuresp), de Ensaios Orgânicos e Inorgânicos (Neoi), de Simulação, de Facilidades Administrativas e de Metrologia (com a participação do Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade - Ibametro) e um Núcleo de Simulação, além de dois laboratórios de preparação de amostra petrofísica. 

A obra está sendo executada pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia (Secti) e tem orçamento de R$ 25 milhões. O projeto executivo ficará pronto em seis meses, depois, será submetido à avaliação da Agência Nacional de Petróleo (ANP). Após estas etapas, o Centro será equipado para funcionamento. 

De acordo com a coordenadora do Núcleo de Inovação Tecnológica da Ufba (NIT),  que também coordena o projeto, Cristina Maria Quintella, no Brasil, a maioria dos campos maduros de petróleo está localizado nas bacias do Recôncavo. No nordeste, em particular na Bahia, todos os campos da Bacia do Recôncavo são maduros, o que justifica a construção do Centro no estado. “O Centro também irá contribuir com grandes e pequenas empresas que necessitam desse tipo de serviço, mas não têm condições de comprar equipamentos que custam entre R$ 200 a R$ 500 mil, além de atender a alunos de pós graduação e toda a atividade de pesquisa e extensão da Ufba”, explica Quintella.

O empreendimento pretende ser o principal instrumento de atração de pesquisa de ponta para o estado. Ainda será abrigado um consórcio de incubadoras e empresas de base tecnológica na Bahia e representará também um centro de convergência do sistema estadual de inovação no estado, nas esferas pública, acadêmica e empresarial. 

Para o geólogo e ex-gerente da Unidade de Exploração e Produção da Petrobras, Antonio Rivas, o objetivo do Centro é atrair empresas de tecnologia que desenvolvam pesquisas e também incubar novas, para a produção de equipamentos, bens e serviços com alto valor agregado. “Há interesse do Estado em incentivar o desenvolvimento de tecnologias aplicadas à melhoria de recuperação do petróleo existente nestes campos, daí surge o convite para a Petrobras participar do projeto através de aporte financeiro, que permitirá construir laboratórios especializados, a serem operados pelos pesquisadores da Ufba e de outras instituições de ensino superior com pesquisas nesta área”, explica Rivas. Atualmente, os estudos sobre energias limpas, renováveis, bioenergia, biocombustíveis e áreas correlatas são temas de 56 grupos de pesquisa na Bahia que contam com 321 doutores e 119 mestres.

Recuperação de campos maduros

Os campos de petróleo que são definidos como maduros são aqueles cujo pico de produção já foi alcançado. Dessa forma, tais campos já se encontram na fase do declínio da produção, ou seja, a produção será cada vez menor, até que atinja uma vazão que não mais justifique a operação econômica do campo. 

De acordo com o geólogo e ex-gerente da Unidade de Exploração e Produção da Petrobras, Antonio Rivas, na Bahia, existem cerca de 100 campos de produção de petróleo e gás, incluindo o mais antigo do Brasil em atividade, o Campo de Candeias, que completou 71 anos em dezembro do ano passado. “A recuperação de campos maduros significa exatamente a aplicação de técnicas - existentes e a serem desenvolvidas - que permitam a extensão deste período, após o pico de produção ter sido alcançado, o que aumenta o fator de recuperação e, portanto, permite recuperar um maior volume de petróleo existente, melhorando, consequentemente, o aproveitamento das reservas e o resultado econômico dos campos”, completa. 

A vida econômica de um campo de petróleo é longa e a boa prática indica a utilização de tecnologias aplicadas para que um maior volume do líquido seja recuperado. “Naturalmente, sempre considerando as premissas de resultado econômico, as quais têm sido favoráveis, na medida em que o preço do barril tem oscilado em torno dos 110 a 115 dólares, suportando investimentos consideráveis na revitalização de campos maduros, o que traz benefícios para toda cadeia produtiva e para a sociedade”, esclarece Rivas.

Águas profundas - Desde julho de 2012 atuando como assessor especial da Secretaria do Planejamento do Estado da Bahia (Seplan), Antonio Rivas não vê conflito entre a iniciativa do Governo da Bahia com a criação do Centro Tecnológico e o foco da Petrobras em águas profundas, principal área de atuação da empresa brasileira. Segundo ele, a Petrobras mantém o interesse em continuar operando os campos maduros, haja vista o significativo volume de investimentos anuais na área de Exploração e Produção na Bahia, que tem registrado valores da ordem de 1,3 a 1,5 bilhões de reais, nos últimos anos. “Isso tem permitido a revitalização destes campos, com identificação de novas oportunidades e implantação de vários projetos de recuperação secundária, de reexploração de novos blocos e reservatórios em campos maduros”, justifica.

Campo mais antigo do Brasil volta a jorrar petróleo 

Na Bahia, foi descoberto o primeiro campo de petróleo do Brasil em 1939 no bairro do Lobato, em Salvador. O poço se encontra desativado desde o final da década de 1980. Tal pioneirismo rendeu ao estado a sede da segunda maior refinaria do País: Landulfo Alves e do maior complexo integrado petroquímico do Hemisfério Sul, localizado no município de Camaçari. 

Mas o mais maduro dos campos voltou a jorrar o mesmo líquido negro que pôs em xeque a credibilidade dos engenheiros americanos que vieram ao País no final da década de 1930 e atestaram que em nossas terras não havia petróleo.

Em janeiro deste ano, durante uma obra de ampliação da casa onde mora Tereza Barbosa, 57 anos, o pedreiro Edvaldo Silva, 24 anos, descobriu um poço de petróleo depois de perfurar uma tubulação que estava embaixo da terra.

Após entrar em contato com ANP veio a frustração de Tereza: engenheiros da Agência estiveram no terreno e confirmam a presença de petróleo, mas a única coisa que será feita no local é a contenção do vazamento, já que poço é considerado  antieconômico e não desperta interesses comerciais, não existindo nenhuma possibilidade de produção.

Momentos de euforia em épocas distintas: Getúlio Vargas (1950) dona Tereza (2013)
Localizado no subúrbio ferroviário, o bairro do Lobato é um bairro pobre. Ruas sem asfalto, casas faltando reboco e lixo espalhado evidenciam a ausência do poder público no local, que no passado recebeu o então presidente Getúlio Vargas para ver de perto o jato do “ouro negro” e dar início a campanha “O petróleo é nosso” no País. Hoje, onde funcionava o antigo poço foi construída uma praça e um monumento que indica o marco histórico do petróleo no país.

07 agosto, 2012

ANA RITA TAVARES VISITA FEIRAS DE ADOÇÃO DE ANIMAIS

Feiras na Pituba, Imbuí e Barra recebem a Advogada dos Animais

A candidata à vereadora pelo PV, a advogada Ana Rita Tavares, visitou três feiras de adoção de animais no final de semana. No sábado (4) pela manhã, ela esteve na feira promovida pela Associação Brasileira Protetora dos Animais-seção Bahia (ABPA-BA), na Pituba. À tarde, foi a vez da feira do Imbuí, organizada pelo Instituto Cuidar é o Bicho e no domingo, o encontro foi com a União de Proteção Animal de Salvador (Upas), que realizou uma feira no Farol da Barra. 

Jovens demonstram mais sensibilidade com os animais postos para adoção
Na Pituba, Ana Rita foi recebida por integrantes da ONG, simpatizantes e moradores do bairro, que foram até a Praça Ana Lúcia Magalhães para adotar um cão ou um gato resgatado das ruas.

Feira da Upas já é tradicional no Farol da Barra
A feira organizada pela ABPA acontece todo sábado há 3 anos e já disponibilizou para adoção centenas de animais carentes de amor e carinho. “Ana Rita é a legítima representante da causa animal na Bahia e não só a ABPA, mas todas as ONGs de defesa dos animais a apoiam nesta eleição”, diz a presidente da ABPA Patruska Barreiros. 

Ana Rita Tavares fez corpo a corpo nas três feiras de adoção animal do fim de semana
A candidata do PV distribuiu santinhos e conversou sobre as suas propostas, entre elas, as indicações ao Executivo para a criação de um hospital público veterinário; um sistema de castração móvel para cães e gatos - Castramóvel; e a Central de adoção de animais de rua. “Temos que ter uma representante que faça pelos animais na Câmara”, defende a Analista Judiciária Cristiana Rocha.
Carlos Ferrer acredita que Ana Rita terá uma eleição surpreendente
No Imbuí, bairro em que os gatos são os mais procurados para adoção, Ana Rita foi cumprimentada por moradores locais, que ainda relembram a ação movida pela advogada em 2011 contra o Condomínio Morada do Parque pela morte de 15 gatos por envenenamento. “A presença de Ana Rita Tavares nas feiras de adoção tem sido útil para mostrar à parcela da população que ainda não tomou conhecimento de sua candidatura à Câmara Municipal de Salvador. E a repercussão tem sido muito bem aceita por defensores de animais e simpáticos à causa,” relata o presidente da Federação Baiana das Entidades Ambientalistas Defensoras dos Animais (Febadan) Carlos Ferrer.

No domingo à tarde, Ana Rita recebeu amigos para um bate papo que discutiu suas propostas no Comitê de Campanha na Graça.

01 agosto, 2012

POR UMA CULTURA AMBIENTAL: ANA RITA TAVARES INAUGURA COMITÊ

ONGs de proteção animal se reúnem em torno da "Advogada dos Animais"

Depoimentos emocionados e demonstrações de apoio marcaram a inauguração do Comitê de Campanha da candidata à vereadora pelo Partido Verde (PV) Ana Rita Tavares, terça-feira (31), no bairro da Graça, em Salvador.

O lançamento da campanha, cujo slogan é “Por uma Cultura Ambiental”, contou com a participação de simpáticos à causa, dirigentes do PV e integrantes de diversas ONGs de proteção aos animais de Salvador.

Ana Rita Tavares, denominada pela imprensa a "Advogada dos Animais"
 Célia Sacramento, candidata à vice-prefeita com ACM Neto, esclareceu o motivo da polêmica coligação entre PV e DEM e os 43 pontos acordados para que a parceria fosse firmada. Durante o seu discurso, Célia prometeu atenção especial aos direitos dos animais. “A coligação que firmamos não foi com Neto nem com o DEM, e sim com os 43 pontos em defesa da cidade e do meio ambiente. O povo de Salvador está entendendo o nosso projeto, essa é a hora da mudança e os animais estão dentro desse projeto. Se não tivermos uma atenção especial com os animais, eles serão exterminados”, alertou.

Diante dos representantes das ONGs, Célia se comprometeu com a causa animal
O presidente estadual do PV, Ivanilson Gomes, espera que a candidata Ana Rita seja uma das mais bem votadas do partido, e a comparou com o deputado estadual pelo PV de São Paulo, Padre Afonso, importante lutador pelos direitos dos animais. “Sem dúvida essa campanha de Ana Rita será uma das mais expressivas do nosso partido. E, caso seja eleita, almejamos ela como líder na Câmara e, quem sabe, presidente”, profetizou Gomes.

Centenas de apoiadores estiveram presentes
O recém-empossado presidente da Federação Baiana de Entidades Ambientalistas Defensora dos Animais (Febadan), Carlos Ferrer “Carlão”, falou em nome da entidade e prometeu apoio à campanha de Ana Rita Tavares. Carlão desmistificou a imagem de que o movimento animal é composto apenas por mulheres, citando a participação efetiva do presidente da Subcomissão de Proteção dos Direitos dos Animais, Márcio Vinhas Barretto, além de outros advogados e jornalistas presentes ao evento.

Dirigentes do PV acreditam em uma eleição entre as mais votadas do partido
A presidente da ONG Célula Mãe, Janaína Rios, convocou o apoio de cada integrante da causa animal a Ana Rita Tavares, cobrando de Célia Sacramento políticas públicas para os animais, caso seja eleita. “Nós não vemos seres humanos apodrecendo em vias públicas; existe um Samu, um HGE. Os animais só contam com a boa ação dos protetores que, como Ana Rita, se dedicam incondicionalmente a eles; dão tudo que tem: tempo, dinheiro e amor por esses seres inocentes”.

O discurso emotivo proferido por Ana Rita causou comoção entre os protetores
Após muitos depoimentos emocionantes, Ana Rita Tavares, emocionada, falou aos presentes: “Sinto aqui uma força muito grande. Todas as ONGs estão representadas esta noite, as mesmas ONGs que se reuniram para me lançar vereadora. Sei que tenho essa grande responsabilidade para com eles e sobretudo com os animais, e prometo não decepcionar. Estamos aqui por uma causa nobre. Não é possível existir felicidade numa cidade cujos cidadãos não cuidem de seus animais”.

04 julho, 2012

UMA CULTURA QUE NÃO INTERESSA A NINGUÉM

Wagner Ferreira

Ao longo da história, a sociedade se habituou em se divertir com o sofrimento de outros seres, inclusive com o do ser humano. A cultura do pão e circo, que existiu – e ainda existe, mas com outra formatação – nos países de influência helênica, promovia a morte de escravos e prisioneiros de guerra, que eram entregues às feras. O Banquete sangrento era completado com a distribuição de pão à débil platéia. 

Na contemporaneidade, sob a justificativa da tradição e cultura, ainda aceitamos que circos explorem animais adestrados com os métodos mais cruéis possíveis. Em 2010, a juíza Ana Barbuda acatou o pedido do promotor de justiça Heron Gordilho e das ONGs de proteção animal: Terra Verde Viva e Célula Mãe, e determinou, por meio de liminar, a remoção dos animais do circo Portugal, que se encontrava instalado no bairro de Cajazeira X. 

Uma outra prática advogada pela tradição é a mutilação do órgão genital da mulher, mais conhecida como Mutilação Genital Feminina (MGF), na qual são submetidas meninas com idades entre 4 e 8 anos, jovens e mulheres adultas. 

A prática é realizada em mais de 30 países do nordeste, leste e oeste do continente africano. Cerca de 18 destes já consideram e classificam a MGF como crime. No entanto, mesmo tendo um instrumento legal sobre esta tradição, isso não impede que a sua prática ocorra, principalmente, de forma clandestina.
Nesses países, quem se manifestar contra a mutilação é acusado de opor-se às tradições ancestrais e aos valores familiares, tribais e religiosos, além de rejeitar o seu próprio povo e sua identidade cultural.

Voltando à Bahia, terra de tantas tradições, fazendo as devidas ressalvas, não é diferente. Durante os festejos do 2 de Julho do ano passado, a Terra Verde Viva produziu um documentário intitulado “Salve o 2 de Julho e os Animais” - disponível no Youtube - onde são mostradas imagens do abuso imposto pelos tradicionais Encourados, do município de Pedrão na Bahia. São vaqueiros que vêm todos os anos ao cortejo representar àqueles que lutaram na batalha que definiu a Independência da Bahia.

Resultado do uso da brid durante a montaria (divulgação)
No vídeo, animais estressados ameaçam os participantes do cortejo; sem ferradura, escorregam nas pedras portuguesas, são chicoteados e furados por chuços e esporas com frequência por aqueles que deveriam zelar pela sua integridade física, afinal, segundo o prefeito de Pedrão, “o vaqueiro sem o cavalo não é vaqueiro; ele ama o seu animal”. Mas que amor é esse? Amor que agride, derrama sangue? Difícil de entender esta relação, a não ser que a mesma seja cunhada no sadismo. 

Outro exemplo desse “amor” é o descaso que vem sofrendo os jumentos do interior do nordeste do Brasil. Esses animais que ajudaram tanto o homem do campo a superar a seca; carregando tonéis de água, leite, e o próprio agricultor no lombo, vêm sendo descartados de forma irresponsável em beira de estradas, inclusive de BRs. Tal atitude, além de desumana, é irresponsável, por causar risco de acidentes graves aos motoristas. 

É desta forma que o bicho homem costuma reconhecer quem sempre esteve à sua disposição. Se não fosse pela devoção de alguns abnegados, que como vigilantes incansáveis amparam, na maioria das vezes com recursos próprios, e denunciam os abusos a esses seres - apesar de a lei ainda não punir o infrator como deveria - eu teria vergonha de pertencer a raça humana.

E se não bastasse a insensibilidade de muitos que, por falta de informação, ou de evolução intelectual e espiritual ignoram o problema, ainda vem a público aqueles que se julgam defensores da história e das manifestações culturais e com seus olhares viciados corroboram com a manutenção de culturas que causam danos à vida. Nenhuma manifestação cultural deve ser mais importante que o respeito à vida, de todas as formas que ela se manifeste. Muito menos para fins de divertimento humano ou o seu conforto. Não somos seres superiores e provamos isso todos os dias destruindo o ambiente que é vital à nossa sobrevivência.  

Cavalos selvagens (reprodução)
O sofrimento que impomos na atualidade aos animais é o mesmo que acontecia com os negros durante a escravidão. A quem defenda que a escravidão foi uma alternativa barata para os países explorarem a mão de obra humana, e foi, mas com o passar dos anos a prática entrou no cotidiano das pessoas, e passou a ser cultural. E até hoje causa danos irreversíveis aos negros e ao país. Eles eram ignorados não só por aqueles que se beneficiavam diretamente com a situação, mas também pelos menos insensíveis, que viam o homem e a mulher negra como hoje são vistos os bichos, subjugados e marcados a ferro pelo seu senhor. 

Enquanto formadores de opinião insistirem em perpetuar qualquer tipo de exploração, antes do homem pelo homem, hoje deste sobre o animal, continuaremos a sofrer as consequências disso por meio de tragédias humanas. Se continuarmos a nos comportar feitos verdadeiros animais selvagens, aplaudindo os mesmos erros dos nossos antepassados, sob a égide da cultura e da tradição acima de qualquer coisa, continuaremos vivendo o sonho utópico de um dia viver em um mundo melhor e mais humano, se é que a palavra humano é mesmo uma coisa boa.

Notícias relacionadas

PRESIDENTE DA SUBCOMISSÃO DE PROTEÇÃO ANIMAL TOMA POSSE EM SALVADOR


23 junho, 2012

PRESIDENTE DA SUBCOMISSÃO DE PROTEÇÃO ANIMAL TOMA POSSE EM SALVADOR

Subcomissão foi responsável por ações que proibiram o uso de animais na Lavagem do Bonfim e Mudança do Garcia

Advogados, ativistas, e representantes de segmentos do governo do Estado estiveram presentes na Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Bahia (OAB-BA), quinta-feira (21), em Salvador, para a posse do novo presidente da Subcomissão de Proteção dos Direitos dos Animais da entidade, o advogado Márcio Vinhas Barreto, que substitui Alessandra Brandão Barbosa. 

Depois de empossado, o presidente da Subcomissão leu o compromisso e assinou o termo de posse. Márcio Barretto declarou que a Subcomissão será firme e intransigente na defesa dos animais. "Precisamos de leis e normas mais duras e rigorosas, uma vez que a impunidade é o combustível do crime". 

Márcio Barreto prometeu uma Subcomissão firme e intransigente na defesa dos animais (WF)
A Subcomissão de Proteção dos Direitos dos Animais foi criada em 2009 de forma inédita nas seccionais da OAB ainda sob a gestão do presidente da Seção Bahia, Saul Quadros, que na ocasião, empossou também as advogadas Zizete Evangelista Balbino Ferreira e Vivian Karina Suzart da Silva Santos. 

Responsável por autoria de ações que resguardem o direito dos animais, além de capacitar advogados que venham a tratar do tema em processos judiciais, a Subcomissão visa proteger os seres mais desprotegidos, e se depender do presidente da OAB-BA, contará com apoio às demandas geradas: “tenho um carinho especial por esta comissão. Enquanto eu estiver à frente da OAB prometo total apoio desta casa, para as ações ligadas à proteção dos animais”, prometeu Quadros. 

Saul Quadros ofereceu o apoio da OAB-BA às ações ligadas à proteção animal (WF)
A importância da Subcomissão na defesa dos animais também foi lembrada pelo vice-presidente da Ordem Antônio Menezes. Ele reconheceu o êxito de suas ações, que resultaram na retirada dos animais que sofriam maus tratos durante os cortejos das festas populares da Lavagem do Bonfim e Mudança do Garcia. 

A representante da ONG Célula Mãe, Janaína Rios, atribuiu à visão antropocêntrica a devastação que o planeta vive atualmente. Ela destacou a responsabilidade do homem para com os animais, estes antes selvagens e que foram domesticados há séculos para servir aos empreendimentos dos seres humanos. Para a ativista, a espécie humana se ausentou da responsabilidade de protetor destes animais. “Não é possível que os animais, que convivem no mesmo espaço que nós apodreçam sem que não façamos nada”, indigna-se. Ela completa ainda que, “na Bahia, não existe lei que exija que o poder público ampare os animais, por isso pedimos apoio da OAB na aprovação de projetos que tramitam desde 2007, em defesa dos bichos", conclama. 

Athayde e Ferrer defendem a convivência harmônica entre homens e animais (WF)
Para o documentarista e educador humanitário, Francisco Athayde, a falta de conscientização das pessoas para a importância do respeito aos animais gera um desequilíbrio em várias esferas da sociedade, e reflete na conduta de cidadãos que se envolvem em crimes. Com base em estudos internacionais, Athayde mostrou que, 80% dos assassinos começaram a sua vida de crimes praticando maus tratos aos animais. "O sofrimento apenas muda de lugar. Ele está interligado com as mazelas dos animais. Na escola, nós não recebemos aulas sobre princípios, valores; falta educação para isso", analisa o educador. 

Já o diretor do Instituto Cuidar é o Bicho Carlos Ferrer, entende que a mudança de cultura de uma sociedade só ocorre quando ela acontece individualmente. Ele pontuou ainda que a Conferência Rio+20 não abordou temáticas ligadas ao respeito dos animais.

Diversos membros da sociedade estiveram presentes ao evento na Seccional da OAB-BA (WF)
Uma das falas mais esperadas da posse foi a da ex-diretora da OAB-BA e pré candidata a vereadora pelo PV-BA, Ana Rita Tavares. Para a advogada e também ativista da causa animal, “a Subcomissão, criada há dois anos, representou um fato inédito na história da Ordem. 

Ainda compuseram a mesa a juíza Joanice Guimarães, o comandante da Polícia Montada da PM, Major Adriano Carvalho - que representou o comandante Geral da corporação, Cel. Castro; e a representante da União de Proteção Animal de Salvador (UPAS), Telma Lívia. Na platéia, também estiveram presentes o presidente da ONG Sentimento Animal, Jorge Pimenta, que atua no bairro de Plataforma, e a diretora da ONG Animal Viva, Roberlena Mercury.  

Após a cerimônia, um coquetel vegano foi oferecido aos presentes.

Notícias relacionadas 

SESSÃO ESPECIAL NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DEBATE DIREITO DOS ANIMAIS

20 junho, 2012

SUBCOMISSÃO DE PROTEÇÃO AOS ANIMAIS DA OAB-BA TEM NOVO PRESIDENTE

A Subcomissão de Proteção dos Direitos dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Bahia terá nova presidência. Assume, em substituição à Alessandra Brandão Barbosa, o advogado Márcio Vinhas Barretto. A solenidade de posse acontece na próxima quinta-feira (21) às 17h na sede da Seccional da OAB-BA, localizada na Rua Portão da Piedade, 16, Barris, Salvador. Após a cerimônia de posse será oferecido um coquetel vegano. 


Criada em 2009 de forma inédita nas seccionais da OAB, a Subcomissão é responsável por autoria de ações que resguardem o direito dos animais, além de capacitar advogados que venham a tratar do tema em processos judiciais.

Notícias relacionadas

Sessão Especial na Assembleia Legislativa debate Direito Dos Animais

04 junho, 2012

ENCHA O TANQUE DE SOLIDARIEDADE!

Campanha "Combustível Solidário" é bem recebida por motoristas  


A Campanha “Combustível Solidário”, que visa ajudar no combate ao câncer na Bahia e no acolhimento de animais de ruas em Salvador, teve início sábado (2) no Posto Marina da Avenida Contorno. A ação, que não tem prazo para terminar, destina parte da margem de lucro da venda de combustíveis do estabelecimento para o Hospital Aristides Maltez e a ONG de proteção animal Terra Verde Viva.

Durante a mobilização, os motoristas que paravam para abastecer seus veículos recebiam das mãos da advogada e ativista da causa animal, Ana Rita Tavares, um DVD contendo o documentário “Salve 2 de Julho e os animais, produzido pela Terra Verde Viva. “A maioria das pessoas já conhecia a ação da ONG, que foi responsável pela ação judicial que retirou os animais da Lavagem do Bonfim”, explica Ana Rita. 

Além de fidelizar a clientela, iniciativa agrega valor à imagem do posto (WF)

O movimento de veículos no posto foi maior devido à campanha, mas segundo o gerente Cristiano Santos, deve melhorar na sexta-feira. “É o nosso dia de maior movimento. Esperamos que com a divulgação da campanha aumentemos nossas vendas e também as doações”, anseia Santos. 

“Gostar de animais é um privilégio de Deus. Só peço a vocês que continuem com esse belíssimo trabalho”, reconhece a aposentada Clara Taiano. 

O engenheiro Jorge Adler também aprovou a iniciativa do Posto Marina. “Ações como essa são sempre bem vindas. Precisamos de mais movimentos como este para diminuirmos nossas mazelas no meio em que vivemos”, diz Adler. 

Motoristas receberam o DVD "Salve o 2 de Julho e os Animais" das mãos de Ana Rita Tavares (WF)

“É preciso que mais pessoas tomem a iniciativa de abastecer o tanque no Posto Marina, possibilitando, assim, aos animais mantidos pela Terra Verde Viva e aos seres humanos (Hospital Aristides Maltez) o benefício da doação de valores que ajudarão as duas entidades a prosseguir com o trabalho social que desenvolvem”, convoca Ana Rita.

A Campanha “Combustível Solidário” conta ainda com o apoio do músico Luiz Caldas, que gravou um comercial - sem cobrar cachê - a ser veiculado na próxima semana pelas Rádios Globo FM e Band News, além da TV Bandeirantes.    

Leia também